Arquivo da tag: elevadores

Instituto Tomie Ohtake

Quer desfrutar de um lugar interessante, repleto de informação, bonito, acessível, com público moderno e funcionários educados? Instituto Tomie Ohtake é o seu nome. Este espaço realmente tem charme e atende a proposta de apresentar as novas tendências da arte nacional e internacional. Você circula por lá com facilidade, é tudo muito espaçoso. Tem elevadores para todos os andares e banheiro adaptado no subsolo (para utilizar o banheiro, basta solicitar a chave para os seguranças). As exposições são gratuitas e o estacionamento é pago. Delícia de passeio.

Share Button

Comente

Corcovado/Cristo Redentor

Rio de Janeiro é sinônimo de Cristo Redentor não somente nos inúmeros folhetos turísticos e imagens da Cidade Maravilhosa pelo mundo. É só pisar por lá que você é convidado a levantar a cabeça e procurar por ele pelos cantos da cidade. O melhor é que você encontra com facilidade.
IMG_6019Situado no topo do morro do Corcovado, no Parque Nacional da Tijuca, a 710 metros acima do nível do mar, o Cristo Redentor tem 38 metros, é um monumento que retrata Jesus Cristo e oferece, em dias ensolarados, uma privilegiada vista panorâmica da cidade, tornando-se um dos ícones brasileiros mais conhecidos internacionalmente. Há várias maneiras de chegar: uma via de acesso para pedestres, pela rodovia ou por meio de trem elétrico.

Eba, hoje, para nós que temos mobilidade reduzida, chegar à estatua do Cristo Redentor é bem possível. Já a alguns anos o espaço nos recebe com elevadores e escadas rolantes. Subi de trem, comprei antecipadamente o meu ingresso pela internet: – www.corcovado.com.br.

A viagem de trem dura em média 20 minutos e sai a cada meia hora. O trajeto é delicioso, tem muito verde e uma turminha boa caprichando no samba. É possível visitar o Cristo Redentor de segunda a domingo, das 8 às 19 horas.

Tive que deixar a Julinha no pé do morro e subir na cadeira do trem. Quando cheguei, passei a utilizar uma cadeira de rodas convencional do espaço. Até onde entendi, nem a Julinha nem uma cadeira de rodas convencional cabem no trem e este transtorno é necessário.

Entendi, também, que lá em cima a cadeira de rodas convencional é mais vantajosa, pois há elevadores e escadas rolantes. Nos elevadores, a Julinha cabe bem, mas nas escadas rolantes a cadeira convencional é mais adequada. Na subida das escadas, há sempre um segurança por perto para nos ajudar. Pois é, um trabalhão do bem. O dia da minha visita estava aberto, mas lá em cima havia muitas nuvens que dificultaram a visibilidade. Estar por lá vale muito e você se diverte imensamente. Passeio feliz garantido!

Share Button

Comente